Inspire-se nos tamanduás-bandeira: Observe os limites e os benefícios da interação social.

Os tamanduás-bandeira possuem focinho e língua compridos, uma cauda longa e espessa. Apesar de não terem dentes conseguem capturar até 35.000 insetos num único dia, usando sua língua extensa para coletá-los. Eles se alimentam principalmente de formigas e cupins, usam suas garras para desenterrá-los.

Tamanduás-bandeira são animais solitários, com exceção da mãe com o filhote ou da época de reprodução. A mãe chega a carregar o filhote no dorso por aproximadamente 6 a 9 meses. Apesar de serem animais solitários, que apreciam o isolamento e rejeitam relações sociais, eles demonstram uma forma gentil e carinhosa de carregarem seus bebês.

E o que dizer do contato humano da mãe com seu bebê? Diversos estudos comprovam que o contato pele a pele da mãe com o bebê promove uma série de benefícios para ambos. Isto causa uma liberação de ocitocina que tem propriedades antiansiedade e antidepressiva que protegem contra a depressão pós parto. O cuidado através do contato pele a pele acalma o bebê e o ajuda se sentir seguro. Regula o ritmo cardíaco e respiração do bebê; etc.

Embora os tamanduás não sejam agressivos, quando se sentem encurralados atacam, e podem combater predadores de grande porte com um abraço mortal. Ao enfrentarmos uma pandemia, nós humanos notamos o quão necessário é o contato físico com os outros. A ausência de um abraço pode ser devastadora para algumas pessoas durante a pandemia. No entanto, a transmissão de um vírus nos mostra um lado obscuro do toque físico.

Os animais utilizam vários truques para se protegerem, é incrível a percepção que eles possuem com relação ao perigo. O medo é uma reação humana normal que nos protege sinalizando uma situação perigosa, mas a fé e a autoconfiança são necessárias para combatermos nosso instintivo medo humano e vencermos a batalha contra doenças contagiosas.

Impor limites nas interações não é algo prejudicial para os relacionamentos, na realidade nos protege de elementos ruins e nos aproxima das pessoas de uma forma saudável. Os limites asseguram que as relações sejam mutuamente respeitosas e apropriadas, especialmente durante uma pandemia.

Levando para o lado positivo, o isolamento social causado pela pandemia, pode nos ensinar a buscar o equilíbrio ideal entre quanto tempo gastamos sozinhos e na companhia de outros. Para que nos sintamos mais conectados com outros é relevante que estejamos primeiramente conectados com nós mesmos. Sendo assim, é imprescindível que neste momento desafiador foquemos no nosso próprio bem-estar.

Os animais nos dão exemplo de dedicação materna e autocuidado! Não hesite em cuidar da sua saúde, sempre levando em conta que tudo tem um limite, até mesmo nas interações sociais.

tamanduá-bandeira

*Não guarde para você, passe adiante.

https://www.todamateria.com.br/tamandua-bandeira/

Get inspired by giant anteaters: Observe the limits and benefits of social interaction.

Giant anteaters have a long snout and tongue, and long bushy tail. Although they have no teeth, they can capture up to 35,000 insects in a single day, using their long tongue to collect them. They feed principally on ants and termites, using its claws to dig them up.

Giant anteaters are solitary animals, except with mother and her young or during the mating season. A mother may carry the baby on her back for approximately 6 to 9 months. Despite being solitary animals, enjoying the isolation and rejecting social connections, they have a gentle and tender way of carrying their babies.

How about human skin-to-skin contact? Several studies have shown that skin-to-skin contact brings many benefits for both mother and baby. It causes a release in oxytocin that contain anti-anxiety and antidepressant properties reducing the appearance of postpartum depression. Get in on skin-to-skin care helps the baby to feel safe and calm. It regulates the baby’s heart rate and breathing, etc.

Although anteaters are not aggressive, when they feel threatened might attack large predators with a deathly hug. When facing a pandemic, we human beings really realise the importance of physical contact with others. Absence of the act of hugging can be devastating for some people during the pandemic. However, the transmission of a virus shows us the dark side of physical touch.

Animals use various tricks to protect themselves, it is incredible the perception of the animals related to danger. Fear is a normal human reaction that protects us by signalling a dangerous situation, but faith and self-confidence are necessary to overcome our human fear instinct to fight contagious disease.

Setting boundaries for interactions are not harmful for relationships, as it protects us from bad elements and keep people together in a health way. Boundaries can ensure that relationships can be mutually respectful and appropriate, especially during the pandemic.

Taking the positive side of social isolation related to the pandemic, it can teach us to find ideal balance between how much time we spend alone and with others. To feel more connected to others it is relevant that we first connect to ourselves. Therefore, it is essential to focus on our own wellbeing in this challenging times.

Animals are an example of maternal dedication and engagement in self-care behaviours. You should never hesitate to take care of your health, but always consider that everything has a limit, even social interactions.

*Do not keep it to yourself, pass it on.

https://nationalzoo.si.edu/animals/giant-anteater

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.